FCC INSS Hugo Goes II

Card Set Information

Author:
neojr
ID:
277633
Filename:
FCC INSS Hugo Goes II
Updated:
2014-06-26 10:04:39
Tags:
fcc inss hugo goes
Folders:

Description:
Questões comentadas parte 2.
Show Answers:

Home > Flashcards > Print Preview

The flashcards below were created by user neojr on FreezingBlue Flashcards. What would you like to do?


  1. 11. (FCC - TRF4 - Analista Judiciário - 2010) Sobre o Conselho Nacional de Previdência Social – CNPS, considere:
    I. O CNPS terá, dentre os seus membros, seis representantes do Governo Federal.
    II. Os membros do CNPS e seus respectivos suplentes serão nomeados pelo Presidente da República.
    III. Os membros do CNPS representantes titulares da sociedade civil terão mandato de 2 (dois) anos, vedada a recondução.
    IV. O CNPS reunir-se-á, ordinariamente, duas vezes por mês, por convocação de seu Presidente.
    Está correto o que consta APENAS em

    (A) I e III.
    (B) I, II e III.
    (C) I, II e IV.
    (D) II, III e IV.
    (E) I e II.
    • Item I – O art. 3º da Lei nº 8.213/91 instituiu o Conselho Nacional de Previdência Social – CNPS, órgão superior de deliberação colegiada, que terá como membros: (I) seis representantes do Governo Federal; (II) nove representantes da sociedade civil, sendo três representantes dos aposentados e pensionistas, três representantes dos trabalhadores em atividade e três representantes dos empregadores.
    •  Item II – De acordo com o § 1º do art. 3º da Lei nº 8.213/91, os membros do CNPS e seus respectivos suplentes serão nomeados pelo Presidente da República.
    •  Item III – Os membros do CNPS representantes titulares da sociedade civil terão mandato de 2 (dois) anos, podendo ser reconduzidos, de imediato,uma única vez (Lei nº 8.213/91, art. 3º, § 1º).
    •  Item IV – O CNPS reunir-se-á, ordinariamente, uma vez por mês, por convocação de seu Presidente, não podendo ser adiada a reunião por mais de 15 dias se houver requerimento nesse sentido da maioria dos conselheiros (Lei nº 8.213/91, art. 3º, § 3º). Poderá ser convocada reunião extraordinária por seu Presidente ou a requerimento de um terço de seus membros, conforme dispuser o regimento interno do CNPS (Lei nº8.213/91, art. 3º, § 4º).
    • Gabarito: E
  2. 12. (FCC – TRF4 - Técnico Judiciário – 2010) Publicada lei modificando a contribuição social sobre a receita ou faturamento,

    (A) não poderá ser exigida tal contribuição no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a referida lei, independentemente da data de sua publicação.
    (B) poderá ser exigida tal contribuição imediatamente após a datada publicação da referida lei.
    (C) só poderá ser exigida tal contribuição após decorridos cento e vinte dias da data da publicação da referida lei.
    (D) só poderá ser exigida tal contribuição após decorridos noventa dias da data da publicação da referida lei.
    (E) só poderá ser exigida tal contribuição após decorridos cento e oitenta dias da data da publicação da referida lei.
    • As contribuições destinadas ao financiamento da seguridade social só poderão ser exigidas depois de decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado (CF, art. 195, §6º). Trata--se, aqui, do princípio da anterioridade nonagesimal, também conhecido como princípio da noventena ou da anterioridade mitigada. As modificações que estão sujeitas à anterioridade nonagesimal são as que representem uma efetiva onerosidade para o contribuinte. As modificações menos onerosas ao contribuinte podem ser aplicadas desde a entrada em vigor da lei nova.
    •  O princípio da anterioridade nonagesimal tem como objetivo proteger o contribuinte contra o fator surpresa. A noventena é o tempo necessário para que o contribuinte ajuste seu planejamento financeiro, visando o pagamento da contribuição.
    •  Para os demais tributos, com algumas exceções, além da anterioridade nonagesimal, aplica-se também o princípio da anterioridade anual (ou anterioridade do exercício). De acordo com o princípio da anterioridade anual, os tributos não podem ser cobrados no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou (CF, art. 150, III, “b”). Para as contribuições destinadas à seguridade social, o princípio da anterioridade anual não se aplica. Para estas contribuições, aplica-se apenas a anterioridade nonagesimal.
    • Gabarito: D
  3. 13. (FCC – TRF4 - Técnico Judiciário – 2010) O princípio constitucional que consiste na concessão dos benefícios a quem deles efetivamente necessite, devendo a Seguridade Social apontar os requisitos para a concessão de benefícios e serviços é,especificamente, o princípio da

    (A) universalidade da cobertura e do atendimento.
    (B) equidade na forma de participação no custeio.
    (C) seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços.
    (D) diversidade da base de financiamento.
    (E) uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais.
    • Um dos princípios constitucionais da seguridade social é a“seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços” (CF,art. 194, parágrafo único, III).
    •  Para CASTRO & LAZZARI, a seletividade pressupõe que os benefícios são concedidos a quem deles efetivamente necessite, razão pela qual a seguridade social deve apontar os requisitos para a concessão de benefícios e serviços. A distributividade refere-se à distribuição de renda e bem-estar social.
    •  Diante do acima exposto, conclui-se que o princípio da “seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços” (CF, art. 194, parágrafo único, III) é o que mais se aproxima da situação apresentada pela questão ora comentada.
    • Gabarito: C
  4. 14. (FCC – TRF4 - Técnico Judiciário – 2010) A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à

    (A) saúde e à assistência social, apenas.
    (B) previdência social, apenas.
    (C) previdência social e à assistência social, apenas.
    (D) saúde e à previdência social, apenas.
    (E) saúde, à previdência social e à assistência social.
    • De acordo com o caput do art. 194 da Constituição Federal, “a seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social”.
    •  Assim, a seguridade social é o gênero do qual são espécies a Previdência Social, a Assistência Social e a Saúde.
    • Gabarito: E
  5. 15. (FCC – TRF4 - Técnico Judiciário – 2010) Considere as seguintes assertivas a respeito da seguridade social:
    I. As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos orçamentos, integrando o orçamento da União.
    II. São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei.
    III. A pessoa jurídica em débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.
    IV. Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado ou majorado sem a correspondente fonte de custeio total, mas poderá, no entanto, ser estendido.
    De acordo com a Constituição Federal, está correto o que consta APENAS em

    (A) II, III e IV.
    (B) I, II e III.
    (C) II e III.
    (D) III e IV.
    (E) I e II.
    • Item I – Conforme o caput do art. 195 da constituição Federal, a seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União,dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das contribuições sociais. Mas as receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos orçamentos, não integrando o orçamento da União (CF, art. 195, § 1º).
    •  Item II – Nos termos do § 7º do art. 195 da Constituição Federal, “são isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei”. Tais exigências estão previstas na Lei nº 12.101/2009.
    •  Item III – De acordo com o § 3º do art. 195 da Constituição Federal, “a pessoa jurídica em débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios”. Amparada nesse dispositivo constitucional, a Lei nº 8.212/91 (art. 47, I, “a”) exige que a empresa, para provar a inexistência de débito com o sistema da seguridade social, apresente Certidão Negativa de Débito – CND, quando da contratação com o Poder Público e no recebimento de benefícios ou incentivo fiscal ou creditício concedido por ele.
    •  Item IV – Nos termos do § 5º do art. 195 da Constituição Federal, “nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total”. Trata-se doprincípio da “preexistência do custeio em relação ao benefício ou serviço”. Esse princípio tem como objetivo assegurar o equilíbrio financeiro daseguridade social: o caixa da seguridade social só pode pagar o benefício se existir dinheiro para isso. Assim, será inconstitucional a lei que criar, majorar ou estender uma prestação, previdenciária ou assistencial, sem também criar a fonte de custeio.
    • Gabarito: C
  6. 16. (FCC – Analista TRF 3ª Região - 2007) - Considere as seguintes assertivas a respeito do regime geral de previdência social:
    I - Em regra, é vedada a filiação ao regime geral de previdência social, na qualidade de segurado facultativo, de pessoa participante de regime próprio de previdência.
    II - Para efeito de aposentadoria não é assegurada a contagem recíproca do tempo de contribuição na administração pública e na atividade privada rural.
    III- Os ganhos habituais do empregado, a qualquer título, serão incorporados ao salário para efeito de contribuição previdenciária e conseqüente repercussão em benefícios, nos casos e na forma da lei.
    IV - Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo.
    De acordo com a Constituição Federal brasileira, está correto o que se afirma APENAS em

    a) I, II e III
    b) I e III
    c) I, III e IV
    d) II, III e IV
    e) III e IV
    • Item I – Nos termos do § 5º do art. 201 da Constituição Federal, ‘’é vedada a filiação ao regime geral de previdência social, na qualidade de segurado facultativo, de pessoa participante de regime próprio de previdência”.
    •  Item II – De acordo com o § 9º do art. 201 da Constituição Federal, “para efeito de aposentadoria, é assegurada a contagem recíproca do tempo de contribuição na administração pública e na atividade privada, rural e urbana, hipótese em que os diversos regimes de previdência social se compensarão financeiramente, segundo critérios estabelecidos em lei”. Assertiva em comento afirma exatamente o contrário, por isso, está errada.
    •  Item III – Nos termos do § 11 do art. 201 da Constituição Federal, “os ganhos habituais do empregado, a qualquer título, serão incorporados ao salário para efeito de contribuição previdenciária e consequente repercussão em benefícios, nos casos e na forma da lei”. De acordo com este dispositivo constitucional, a habitualidade dos ganhos do empregado é requisito suficiente para sua inclusão no salário-de-contribuição (base de cálculo da contribuição previdenciária dos segurados), gerando, por conseguinte, repercussão no cálculo dos benefícios previdenciários. Contudo, vale frisar que o dispositivo constitucional será aplicado “nos casos e na forma da lei”. Por isso, coube à Lei nº 8.212/91 excluir da base de cálculo das contribuições previdenciárias alguns valores recebidos pelo trabalhador. Os valores que estão fora do campo de incidência das contribuições previdenciárias são exclusivamente os previstos no § 9º do art. 28 da Lei nº8.212/91. A maioria dos benefícios é calculada com base no salário-de-benefício que,por sua vez, é calculado a partir de uma média aritmética dos 80% maiores salários-de-contribuição. Assim, se determinado valor integra a base de cálculo da contribuição, também integrará a base de cálculo do benefício. Como única exceção a esta regra, o décimo terceiro salário (gratificação natalina) integra o salário-de-contribuição, exceto para o cálculo de benefício (Lei nº 8.212/91, art. 28, § 7º).
    •  Item IV – De acordo com o § 2º do art. 201 da Constituição Federal, “nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo”. De acordo com esse dispositivo constitucional, os benefícios que não podem ter renda mensal inferior ao salário mínimo são somente aqueles que substituem o salário-de-contribuição ou o rendimento do trabalho. Assim, benefícios como salário-família e o auxílio-acidente podem ter renda mensal inferior ao salário mínimo, pois nestes casos, o beneficiário recebe,concomitantemente, o benefício previdenciário (pago pelo INSS) e o rendimento do seu trabalho (pago pela empresa). Os citados benefícios não substituem a renda mensal do trabalhador, por isso, podem ser inferior ao salário mínimo.
    •  Assim, não terão valor inferior ao salário mínimo os benefícios de prestação continuada pagos pela Previdência Social correspondentes a aposentadorias, auxílio-doença, auxílio-reclusão (valor global) e pensão por morte (valor global).
    • GABARITO: C
  7. 17. (FCC – Analista TRF 3ª Região - 2007) - A contribuição social sobre a receita de concursos de prognósticos é um exemplo específico do princípio constitucional da

    a) Diversidade da base de financiamento.
    b) Caráter democrático e descentralizado da administração.
    c) Seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços.
    d) Universalidade da cobertura.
    e) Equidade na forma de participação no custeio.
    • A contribuição social sobre a receita de concursos de prognósticos é um exemplo específico do princípio constitucional da diversidade da base de financiamento. A seguridade social tem diversas fontes de custeio; assim,há maior segurança para o sistema; em caso de dificuldade na arrecadação de determinadas contribuições, haverá outras para lhes suprir a falta.
    •  De acordo com o caput do art. 195 da Constituição Federal, a seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:
    • I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:
    • a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço,mesmo sem vínculo empregatício;
    • b) a receita ou o faturamento;
    • c) o lucro;
    • II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social;
    • III - sobre a receita de concursos de prognósticos.
    • IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a leia ele equiparar.
    •  O § 4º do art. 195 da Constituição Federal ainda prevê que “a lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o disposto no art. 154, I”. Ou seja, além das contribuições sociais previstas nos quatro incisos do caput do art. 195 da Constituição Federal, outras fontes de custeio da seguridade social poderão ser instituídas. Trata-se, aqui, das chamadas contribuições residuais. Para que estas contribuições sejam instituídas, é necessário que se obedeça ao disposto no art. 154, I, da Constituição Federal, cuja redação é a seguinte: “Art. 154. A União poderá instituir:
    • I - mediante lei complementar, impostos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituição”.
    •  O STF entende que, em relação às novas contribuições para a seguridade social, aplica-se somente a primeira parte do inciso I do artigo154 da Carta Magna. Ou seja, contribuição para a seguridade social que não esteja prevista nos quatro incisos do art. 195 da CF só pode ser criada mediante lei complementar. Pode, contudo, ter base de cálculo e fato gerador idênticos aos de impostos. No tocante à não-cumulatividade, o STF entende que essa exigência só pode dizer respeito à técnica de tributação que afasta a cumulatividade em impostos polifásicos como o ICMS e o IPI. A cumulatividade não ocorre em contribuição cujo ciclo de incidência é monofásico. Nesse sentido, confira-se o seguinte julgado da Suprema Corte:
    • “EMENTA: Contribuição social. Constitucionalidade do artigo 1º, I, da Lei Complementar nº 84/96. - O Plenário desta Corte, ao julgar o RE 228.321, deu, por maioria de votos, pela constitucionalidade da contribuição social, a cargo das empresas e pessoas jurídicas, inclusive cooperativas, incidente sobre a remuneração ou retribuição pagas ou creditadas aos segurados empresários, trabalhadores autônomos, avulsos e demais pessoas físicas,objeto do artigo 1º, I, da Lei Complementar nº 84/96, por entender que não se aplica às contribuições sociais novas a segunda parte do inciso I do artigo 154 da Carta Magna, ou seja, que elas não devam ter fato gerador ou base de cálculos próprios dos impostos discriminados na Constituição. - Nessa decisão está ínsita a inexistência de violação, pela contribuição social em causa, da exigência da não-cumulatividade, porquanto essa exigência - e é este, aliás, o sentido constitucional da cumulatividade tributária - só pode dizer respeito à técnica de tributação que afasta a cumulatividade em impostos como o ICMS e o IPI - e cumulatividade que, evidentemente, não ocorre em contribuição dessa natureza cujo ciclo de incidência é monofásico-, uma vez que a não-cumulatividade no sentido de sobreposição de incidências tributárias já está prevista, em caráter exaustivo, na parte final do mesmo dispositivo da Carta Magna, que proíbe nova incidência sobre fato gerador ou base de cálculo próprios dos impostos discriminados nesta Constituição. - Dessa orientação não divergiu o acórdão recorrido. Recurso extraordinário não conhecido”.
    •  Em suma, se a contribuição para a seguridade social estiver prevista nos quatro incisos do art. 195 da Constituição Federal, ela poderá ser instituída mediante lei ordinária. Em caso contrário, só poderá ser instituída mediante lei complementar. Nesse sentido, confira-se a seguinte decisão do STF:
    •  “CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS.CONTRIBUIÇÕES INCIDENTES SOBRE O LUCRO DAS PESSOAS JURÍDICAS. Lei n. 7.689, de 15.12.88. I. - Contribuições parafiscais: contribuições sociais, contribuições de intervenção e contribuições corporativas. CF, art.149. Contribuições sociais de seguridade social. CF, arts. 149 e 195. As diversas espécies de contribuições sociais. II. - A contribuição da Lei 7.689, de 15.12.88, é uma contribuição social instituída com base no art. 195, I, da Constituição. As contribuições do art. 195, I, II, III, da Constituição, não exigem, para a sua instituição, lei complementar. Apenas a contribuição do parágrafo 4º do mesmo art. 195 é que exige, para a sua instituição, lei complementar, dado que essa instituição deverá observar a técnica da competência residual da União (CF, art. 195, § 4º; CF, art. 154, I). Posto estarem sujeitas a lei complementar do art. 146, III, da Constituição, porque não são impostos, não há necessidade de que a lei complementar defina o seu fato gerador, base de cálculo e contribuintes (CF, art. 146, III,"a"). III. - Adicional ao imposto de renda: classificação desarrazoada. IV. -Irrelevância do fato de a receita integrar o orçamento fiscal da União. O que importa é que ela se destina ao financiamento da seguridade social (Lei 7.689/88, art. 1º). V. - Inconstitucionalidade do art. 8º, da Lei 7.689/88, por ofender o princípio da irretroatividade (CF, art, 150, III, "a") qualificado pela inexigibilidade da contribuição dentro no prazo de noventa dias da publicação da lei (CF, art. 195, § 6º). Vigência e eficácia da lei: distinção.VI. - Recurso Extraordinário conhecido, mas improvido, declarada a inconstitucionalidade apenas do artigo 8º da Lei 7.689, de 1988”.
    • GABARITO: A
  8. 18. (FCC – Analista TRF 3ª Região - 2007) - Ao se conceder o benefício assistencial da renda vitalícia ao idoso ou ao deficientes em meios de subsistência estará sendo aplicado, especificamente,o princípio da

    a) Equidade na forma de participação no custeio.
    b) Universalidade do atendimento.
    c) Universalidade da cobertura.
    d) Distributividade na prestação dos benefícios e serviços.
    e) Diversidade da base de financiamento.
    • No inciso III do parágrafo único do art. 194, a Constituição Federal estabelece como sendo um dos princípios da seguridade social a “seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços”. A seletividade atua na delimitação do rol de prestações, ou seja, na escolha dos benefícios e serviços a serem mantidos pela seguridade social,enquanto a distributividade direciona a atuação do sistema protetivo para as pessoas com maior necessidade, definindo o grau de proteção. Os benefícios da assistência social, por exemplo, serão concedidos apenas aos  “necessitados”; os benefícios salário-família e o auxílio-reclusão só serão concedidos aos beneficiários de baixa renda (atualmente, para aqueles que tenham renda mensal inferior ou igual a R$ 862,60). Assim, compete ao legislador – com base em critérios equitativos de solidariedade e justiça social e segundo as possibilidades econômico-financeiras do sistema – definir quais benefícios serão concedidos a determinados grupos de pessoas, em razão de especificidades que as particularizem.
    •  Portanto, ao se conceder o benefício assistencial da renda vitalícia ao idoso ou ao deficiente sem meios de subsistência estará sendo aplicado,especificamente, o princípio da “distributividade na prestação dos benefícios e serviços”.
    • GABARITO: D
  9. 19. (FCC – Juiz do Trabalho - TRT11 - 2005) - A Constituição Federal de 5 de outubro de 1988 disciplinou o Sistema de Seguridade Social, no Título VIII, Capítulo II, estabelecendo como um de seus objetivos a

    (A) irredutibilidade do valor do benefício, a fim de que seja mantido o padrão de vida de todos os segurados do sistema, mantendo o valor real dos benefícios.
    (B) diversidade da base de financiamento, já que para o Sistema de Seguridade Social serão vertidas contribuições tanto dos trabalhadores como dos empregadores.
    (C) universalidade de cobertura e atendimento, já que todos os riscos sociais deverão ser cobertos e todas as pessoas deverão ser atendidas, na exata medida de sua contribuição ao sistema.
    (D) seletividade e a distributividade na prestação dos benefícios e serviços, já que os riscos sociais que merecem proteção são selecionados e depois distribuídos conforme a necessidade de cada qual.
    (E) equidade na forma de participação no custeio, com idêntica contribuição das empresas e trabalhadores, em decorrência do princípio da solidariedade social.
    • Alternativa A - Na doutrina, não há consenso a respeito do significado do princípio da irredutibilidade do valor dos benefícios, aplicado à Seguridade Social. Parte da doutrina entende que seu objetivo é preservar o valor real do benefício. Outra parte entende que a sua finalidade é, simplesmente, impedir a diminuição do valor nominal do benefício. Mas para o STF, não havendo diminuição do valor nominal, não procede a alegação de ofensa ao princípio da irredutibilidade. Nesse sentido, confira-se o seguinte julgado da Suprema Corte:
    • “EMENTA: Servidor público militar: supressão de adicional de inatividade: inexistência, no caso, de violação às garantias constitucionais do direito adquirido e da irredutibilidade de vencimentos (CF, art. 37, XV). É da jurisprudência do Supremo Tribunal que não há direito adquirido a regime jurídico e que a garantia da irredutibilidade de vencimentos não impede a alteração de vantagem anteriormente percebida pelo servidor, desde que seja preservado o valor nominal dos vencimentos”.
    •  É verdade que a jurisprudência supra é relativa a proventos de inatividade de servidor público militar. Mas a irredutibilidade do valor dos benefícios é princípio equivalente ao da irredutibilidade dos vencimentos dos servidores públicos (CF, art, 37, XV). Confira-se, agora, um julgado do STF a respeito de benefício do RGPS:
    • “EMENTA: - Previdência social. Irredutibilidade do benefício. Preservação permanente de seu valor real. - No caso não houve redução do benefício, porquanto já se firmou a jurisprudência desta Corte no sentido de que o princípio da irredutibilidade é garantia contra a redução do “quantum” que se recebe, e não daquilo que se pretende receber para que não haja perda do poder aquisitivo em decorrência da inflação. - De outra parte, a preservação permanente do valor real do benefício - e, portanto, a garantia contra a perda do poder aquisitivo - se faz, como preceitua o artigo 201, §2º, da Carta Magna, conforme critérios definidos em lei, cabendo, portanto, a esta estabelecê-los.  Recurso extraordinário não conhecido”.
    •  Nessa linha de raciocínio, o princípio da irredutibilidade assegura apenas que o benefício legalmente concedido – pela Previdência Social ou pela Assistência Social – não tenha seu valor nominal reduzido. Assim,uma vez definido o valor do benefício, este não pode ser reduzido nominalmente, salvo se houve erro na sua concessão.
    •  Fica claro que, conforme a jurisprudência predominante no STF, o princípio da irredutibilidade veda apenas a redução do valor nominal dos benefícios. Mas se o benefício for concedido em desacordo com a lei, até mesmo o valor nominal poderá ser reduzido. O STF entende que “a redução de proventos de aposentadoria, quando concedida em desacordo com a lei, não ofende o princípio da irredutibilidade”. Vale ressaltar que, em relação aos benefícios previdenciários, o § 4º do art.201 da Constituição Federal, assegura “o reajustamento dos benefícios para preserva-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios definidos em lei”.
    •  Assim, em relação aos benefícios previdenciários, o princípio da irredutibilidade (CF, art. 194, parágrafo único, IV) é garantia contra a redução do valor nominal, e o § 4º do art. 201 da Carta Magna assegura o reajustamento para preservar o valor real. Mas estes dois dispositivos constitucionais têm significados distintos, não devendo ser confundidos. O primeiro é o princípio da irredutibilidade, aplicado à seguridade social (engloba benefícios da previdência e da assistência social). O segundo é o princípio da preservação do valor real dos benefícios, aplicado somente à previdência social. O princípio da irredutibilidade, por si só, não assegura reajustamento de benefícios. O que assegura o reajustamento dos benefícios do RGPS, de acordo com critérios definidos em lei ordinária, é o princípio da preservação do valor real dos benefícios, previsto no § 4º do art. 201 da Constituição. A separação desses dois princípios fica evidente noseguinte julgado do STF: “EMENTAS: (...) 2. PREVIDÊNCIA SOCIAL. Reajuste de benefício de prestação continuada. Índices aplicados para atualização do salário-de benefício.Arts. 20, § 1º e 28, § 5º, da Lei nº 8.212/91. Princípios constitucionais da irredutibilidade do valor dos benefícios (Art. 194, IV) e da preservação do valor real dos benefícios (Art. 201, § 4º). Não violação. Precedentes. Agravo regimental improvido. Os índices de atualização dos salários-de-contribuição não se aplicam ao reajuste dos benefícios previdenciários de prestação continuada".
    •  Alternativa B – A diversidade da base de financiamento significa que a seguridade social tem diversas fontes de custeio, não se limitando às contribuições dos trabalhadores e dos empregadores. De acordo como caput do art. 195 da Constituição Federal, a seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:
    • I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:
    • a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício;
    • b) a receita ou o faturamento;
    • c) o lucro;
    • II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social;
    • III - sobre a receita de concursos de prognósticos.
    • IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a leia ele equiparar.
    •  O § 4º do art. 195 da Constituição Federal ainda prevê que “a lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o disposto no art. 154, I”. Ou seja, além das contribuições sociais previstas nos quatro incisos do caput do art. 195 da Constituição Federal, outras fontes de custeio da seguridade social poderão ser instituídas mediante lei complementar.
    •  Alternativa C – De acordo com o princípio da universalidade da cobertura e do atendimento, todos os riscos sociais deverão ser cobertos e todas as pessoas deverão ser atendidas. Contudo, a cobertura e o atendimento não se dão necessariamente na exata medida de sua contribuição ao sistema. Na assistência social, por exemplo, os benefícios são concedidos independentemente de contribuição (CF, art. 203, caput).
    •  Alternativa D (certa) – A seletividade atua na delimitação do rol de prestações, ou seja, na escolha dos benefícios e serviços a serem mantidos pela seguridade social, enquanto a distributividade direciona a atuação do sistema protetivo para as pessoas com maior necessidade, definindo o grau de proteção. Os benefícios da assistência social, por exemplo, serão concedidos apenas aos “necessitados”; os benefícios salário-família e o auxílio-reclusão só serão concedidos aos beneficiários de baixa renda (atualmente, para aqueles que tenham renda mensal inferior ou igual a R$862,60).
    •  Assim, compete ao legislador – com base em critérios equitativos de solidariedade e justiça social e segundo as possibilidades econômico financeiras do sistema – definir quais benefícios serão concedidos a determinados grupos de pessoas, em razão de especificidades que as particularizem. Como se observa, esse princípio procura amenizar os efeitos do princípio da universalidade. Destarte, os princípios da universalidade e da seletividade devem ser aplicados de forma harmônica e equilibrada.O gabarito definitivo da questão ora comentada considerou a alternativa D como sendo a CERTA. Contudo, o texto desta alternativa está mal redigido, passando a ideia de que “os riscos são distribuídos conforme a necessidade de cada qual”. E na verdade, os riscos sociais serão “selecionados”, mas o que deve ser distribuído aos beneficiários da seguridade social são as prestações (benefícios e serviços), que darão cobertura aos referidos riscos sociais.
    •  Alternativa E – A equidade na forma de participação no custeio é um desdobramento do princípio da igualdade (CF/88, art. 5º) que consiste em tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na medida de suas desigualdades. Tratar com igualdade os desiguais seria aprofundar as desigualdades; não é esse o objetivo da seguridade social. Em relação ao custeio da seguridade social, significa dizer que quem tem maior capacidade econômica irá contribuir com mais; quem tem menor capacidade contribuirá com menos.
    •  Seguindo essa orientação, o § 9º do art. 195 da CF (na redação dada pela EC 47, de 5/7/2005) dispõe que as contribuições para a seguridade social a cargo das empresas poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-de-obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho.   A Lei nº 8.212/91 prevê alguns exemplos de eqüidade: as contribuições das empresas têm alíquotas maiores que a dos segurados; as instituições financeiras contribuem para a seguridade social com alíquotas mais elevadas do que as empresas em geral; já as microempresas e empresas de pequeno porte contribuem de forma mais simplificada e favorecida (Lei Complementar nº 123/2006); os segurados empregados, trabalhadores avulsos e empregados domésticos têm alíquotas progressivas (8%, 9% ou 11%) – quanto maior a remuneração maior será a alíquota.
    • GABARITO: D
  10. 20. (FCC – Analista TRF 2ª Região - 2007) Contribuem para a seguridade social, da mesma forma, aqueles que estão em iguais condições contributivas. As empresas NÃO contribuem da mesma forma que os trabalhadores, em conformidade, especificamente,com o princípio da

    (A) universalidade.
    (B) seletividade na prestação de benefícios e serviços.
    (C) equidade na forma de participação no custeio.
    (D) irredutibilidade do valor dos benefícios.
    (E) natureza democrática e descentralizada da administração.
    • No inciso V do parágrafo único do art. 194, a Constituição Federal estabelece como sendo um dos princípios da seguridade social a “equidade na forma de participação no custeio”. Esse princípio é um desdobramento do princípio da igualdade (CF/88, art. 5º) que consiste em tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na medida de suas desigualdades. Tratar com igualdade os desiguais seria aprofundar as desigualdades; não é esse o objetivo da seguridade social.
    •  Em relação ao custeio da seguridade social, significa dizer que quem tem maior capacidade econômica irá contribuir com mais; quem tem menor capacidade contribuirá com menos. A Lei nº 8.212/91 prevê alguns exemplos de eqüidade: as contribuições das empresas têm alíquotas maiores que a dos segurados; as instituições financeiras contribuem para a seguridade social com alíquotas mais elevadas do que as empresas em geral; já as microempresas e empresas de pequeno porte contribuem de forma mais simplificada e favorecida (Lei Complementar nº 123/2006); os segurados empregados, trabalhadores avulsos e empregados domésticos têm alíquotas progressivas (8%, 9% ou 11%) – quanto maior a remuneração maior será a alíquota.
    • Gabarito: C

What would you like to do?

Home > Flashcards > Print Preview